Causas e fatores de risco da obesidade

Causas e fatores de risco da obesidade

A obesidade é causada principalmente por um desequilíbrio entre as calorias consumidas e as calorias gastas. No entanto, muitos fatores de risco contribuem para a doença. Embora as escolhas de estilo de vida, como hábitos alimentares inadequados e poucos exercícios físicos, sejam as principais causas do excesso de peso, as pessoas podem estar predispostas à obesidade devido à genética ou a certas condições médicas.

Estilo de vida

Os maiores contribuintes para a obesidade são os fatores de risco modificáveis, incluindo dieta, exercícios, sono e estresse. Fazer mudanças adequadas no estilo de vida pode ajudar a reduzir a probabilidade de se tornar obeso.

Dieta

A obesidade pode se desenvolver com o tempo, quando você ingere mais calorias do que gasta. Esse desequilíbrio calórico faz com que seu corpo armazene gordura. 1 O número de calorias pode afetar seu ganho de peso, mas pesquisas mostram que outros fatores podem determinar como seu corpo usa essas calorias – e, portanto, a quantidade de peso que você ganha.

Alimentos processados

Nem todas as calorias são criadas iguais. Alguns alimentos e padrões alimentares podem determinar quantas calorias você provavelmente consumirá. 2

Em um estudo de 2019, os indivíduos foram alimentados com dietas de correspondência calórica de alimentos altamente processados ​​ou não processados ​​por duas semanas e, em seguida, mudaram para a outra dieta. Os sujeitos foram instruídos a comer o quanto quisessem ao longo do estudo.

Leia mais em: Magrelin funciona

Os resultados descobriram que os participantes da dieta de alimentos processados ​​consumiram mais calorias e ganharam em média cerca de meio quilo em comparação com aqueles que comeram apenas alimentos não processados, que comeram menos calorias e perderam quase meio quilo em média. Além disso, os hormônios supressores do apetite aumentaram mais com a dieta de alimentos não processados ​​do que com a dieta de alimentos processados. 3

Você pode ajudar a reduzir o número de alimentos processados ​​que ingere: 2

  • Limitando fast food
  • Preparando mais refeições em casa
  • Escolher grãos inteiros em vez de grãos refinados, que são mais processados
  • Aumentar o consumo de frutas inteiras, vegetais, nozes e fontes saudáveis ​​de proteína, como aves, peixes e feijões

Limitar os alimentos processados ​​pode ser uma estratégia eficaz para a prevenção e o tratamento da obesidade.

Adicionado Açucar

O consumo excessivo de açúcar adicionado é um fator de risco no desenvolvimento de longo prazo da obesidade. 4 “Açúcar adicionado” refere-se a todos os açúcares adicionados aos alimentos, em vez dos que ocorrem naturalmente (como nas frutas).

A American Heart Association (AHA) recomenda limitar o açúcar adicionado a menos de seis colheres de chá por dia para mulheres e nove colheres de chá diárias para homens. 5

Parte do problema é que o açúcar adicionado tem vários nomes. Portanto, a menos que você esteja lendo o rótulo dos ingredientes com atenção, pode não perceber quantos tipos diferentes de açúcar foram adicionados ao que você está comendo ou bebendo

Outros nomes para açúcar adicionado incluem: 5

  • Maltose
  • Sacarose
  • Melaço
  • Xarope de milho rico em frutose
  • Cana de açúcar
  • Xarope
  • Adoçante de milho

Gordura saturada

O consumo de gordura saturada tem sido associado a um maior risco de doenças cardiovasculares. E, como os alimentos ricos em gordura saturada costumam ser ricos em calorias, isso provavelmente também desempenha um papel no desenvolvimento da obesidade.

Um estudo de 2018 descobriu que comer uma refeição com alto teor de gordura saturada afeta a sensibilidade à insulina, levando a um aumento no açúcar no sangue pós-refeição e inflamação que contribui para a obesidade. 6

Muito pouco exercício

Um estilo de vida sedentário pode levar a um maior risco de obesidade. De dirigir para o trabalho todos os dias a sentar em uma mesa por horas a fio – e então, para muitos, ir para casa e sentar em frente à televisão – muitos permanecem sedentários por muito tempo diariamente, o que está associado ao ganho de peso e obesidade. 1

Dados do Centro de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) mostram que as taxas de obesidade tendem a ser maiores em áreas onde os adultos não relatam nenhuma atividade física em seu tempo de lazer. 7

Não dormir o suficiente

Outra causa da obesidade associada ao estilo de vida moderno é a privação do sono. Um estudo de 2012 na revista Sleep descobriu que dormir pouco pode resultar em alterações metabólicas que podem levar ao ganho de peso.

No estudo, os indivíduos que dormiam quatro horas por noite tinham níveis mais elevados de grelina, um hormônio que aumenta o apetite. Os autores do estudo sugerem que dormir pouco contribui para o ganho de peso, aumentando os sinais de fome que levam a comer em excesso. 8

Os especialistas recomendam de sete a nove horas de sono ininterrupto por noite para colher os benefícios do descanso para a saúde, incluindo aqueles relacionados à prevenção da obesidade.

A pesquisa também mostra que crianças e adolescentes têm uma taxa maior de obesidade se não dormirem o suficiente. Um estudo de 2018 descobriu que adolescentes que não dormiam o suficiente de forma consistente tinham índices de massa corporal (IMC) mais elevados do que aqueles que dormiam. 9

A Academia Americana de Medicina do Sono recomenda que crianças de seis a 12 anos durmam de nove a 12 horas por noite; os adolescentes devem dormir de oito a 10 horas por noite. 10

Estresse

Se você já cedeu à alimentação emocional ou ao desejo por “comida reconfortante”, sabe em primeira mão como o estresse pode afetar a maneira como você se alimenta.

O estresse crônico também faz com que o corpo ative vias biológicas que envolvem fatores relacionados ao estresse e hormônios do estresse, como o cortisol , que faz com que o corpo mantenha o peso extra com mais facilidade. 11

Algumas das maneiras mais saudáveis ​​de vencer o estresse também acabam sendo maneiras de combater a obesidade em geral. Isso inclui fazer caminhadas regulares, desenvolver uma rotina de exercícios, criar vínculos com seu animal de estimação e reservar um tempo para preparar e saborear uma refeição caseira.

Genética

Ligações biológicas à obesidade, incluindo mutações genéticas específicas, estão continuamente sendo pesquisadas e descobertas. Estudos encontraram variantes em genes que podem contribuir para a obesidade, incluindo aqueles que podem influenciar comportamentos ou metabolismo. A obesidade é provavelmente causada por interações entre vários genes, bem como por fatores ambientais. 

Cientistas descobriram genes que podem conferir uma tendência ao desenvolvimento de obesidade em adolescentes. Em particular, o gene FTO parece estar associado a efeitos no apetite, na ingestão de alimentos e no IMC. Com base nos resultados do estudo, os pesquisadores agora acreditam que pode haver uma relação entre FTO, compulsão alimentar e obesidade. 13

Em outro estudo com quase 1.000 pacientes, os cientistas encontraram quatro marcadores genéticos (um dos quais envolvia FTO) que foram associados a um IMC mais alto aos 13 anos de idade. 

Descobrir essas ligações pode ser importante para novos tratamentos para obesidade e preocupações relacionadas. 15

Condições médicas

Embora a obesidade esteja normalmente relacionada à dieta e aos níveis de exercícios, ela também pode ser afetada por problemas médicos, medicamentos e lesões.

As condições médicas podem levar ao ganho de peso ao desacelerar o metabolismo, aumentar o apetite ou reduzir a mobilidade. Isso inclui: 16

  • Hipotireoidismo
  • Resistência a insulina
  • Artrite e outras condições de dor crônica
  • Condições hormonais, incluindo menopausa
  • Síndrome do ovário policístico (SOP)
  • Síndrome de Prader-Willi
  • Síndrome de Cushing

Muitos medicamentos podem contribuir para o ganho de peso se você não compensar por meio de dieta ou atividade física. Os medicamentos associados ao ganho de peso incluem: 17

  • Anticonvulsivantes, como carbamazepina e valproato
  • Antidepressivos
  • Anti-histamínicos
  • Corticosteroides, como prednisona
  • Medicamentos para diabetes, incluindo insulina, sulfonilureias e tiazolidinedionas
  • Medicamentos para hipertensão, como betabloqueadores

Fatores psicológicos também contribuem para a obesidade. Enquanto muitas pessoas recorrem à comida em resposta a emoções como estresse, tédio, tristeza ou raiva, cerca de 3% da população é diagnosticada com transtorno da compulsão alimentar periódica (TCAP).

Se você acredita que pode estar ganhando peso devido a uma condição médica ou percebeu ganho de peso após iniciar um medicamento, converse sobre sua preocupação com seu médico. Essas são as causas da obesidade que podem ser tratadas e geralmente revertidas.

Add a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *